A convocação feita por Tite para enfrentar Chile e Bolívia pelas Eliminatórias foi um recado claro: a preferência do treinador em apostar na recuperação de seus homens de confiança. Por mais que nomes como os dos palmeirenses Danilo e Raphael Veiga e do rubro-negro Pedro causem alvoroço entre torcedores, a ausência da lista em uma das últimas oportunidades antes da Copa do Mundo em novembro aponta que dificilmente estarão no Qatar.

Revelado no Grêmio, o volante Arthur fez boas atuações recentemente pela Juventus – Lucas Figueiredo/CBF

No futebol não existe o certo ou o errado. Trata-se de opção, subjetividade pura do treinador.

Há alguma outra forma para explicar a presença de Arthur? Mesmo retornando com mais frequência aos jogos na Juventus, o meio-campista ainda está distante do futebol que o torne merecedor de uma das vagas na posição. Precisou sair do Barcelona em busca da recuperação de sua melhor forma, o que ainda não ocorreu desde que chegou ao clube italiano, apesar das boas atuações recentes.

Philippe Coutinho é outro exemplo. Por mais que esteja começando a se destacar no Aston Villa, principalmente em comparação ao que (não) fez no Barcelona e Bayern de Munique, também é pouco em relação aos tempos de Liverpool, quando alcançou sua melhor fase pela Seleção.

Daniel Alves entra no contexto de liderança nas quatro linhas e a escassez de concorrência na lateral direita, acentuada pela expulsão de Emerson Royal. Danilo já está garantido há tempos.

Alex Sandro se recupera de lesão e ficou fora. Contudo, tem a confiança da comissão técnica, que poderá observar outras opções para a lateral esquerda. Gabriel Jesus também não entrou nesta lista, muito provavelmente pela escolha por Martinelli. A situação do jogador do Manchester City segue a mesma linha de raciocínio de Tite. Ao que tudo indica, deve retornar nas convocações seguintes.

O ataque é o setor com mais indefinições. Richarlison, que já foi uma das certezas em uma provável lista para o Mundial, retorna de lesão e precisará mostrar serviço. Por mais que o lesionado Matheus Cunha, centroavante que encaixou bem no esquema da Seleção, só volte aos jogos no fim de março, a quantidade de atacantes é considerável.

Raphinha e Vinicius Junior, que atuam pelas pontas, estão muito bem cotados. Antony e Rodrigo seguem no páreo, enquanto Roberto Firmino e Gabriel Barbosa parecem ter perdido espaço.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jogada10.

Siga o Jogada10 nas redes sociais: TwitterInstagram e Facebook.

Comentários